Data: 20/02/2020 - 17:37:34

Comissão especial da CMC inspeciona
pontes e obras de trincheira

  • Presidido por Mauro Ignácio, a comissão especial tem Professor Silberto na vice-presidência e Bruno Pessuti na relatoria. Serginho do Posto, integrante do colegiado, também acompanhou a visita. (Foto: Carlos Costa/CMC)
  • Vereadores acompanharam andamento das obras da trincheira da rua General Mário Tourinho, no Seminário. (Foto: Carlos Costa/CMC)
  • Ponte para pedestres caída, no Bairro Alto, seria mais curta que o ideal. (Foto: Carlos Costa/CMC)
  • Morador da região, Zé da Farmácia conta que a ponte caiu “há uns 2 ou 3 meses”. (Foto: Carlos Costa/CMC)
  • A estrutura da ponte próxima à Linha Verde Norte, também no Bairro Alto, não teria fissuras. (Foto: Carlos Costa/CMC)
  • O engenheiro civil Mauro Lacerda, da UFPR, acompanhou as visitas técnicas. (Foto: Carlos Costa/CMC)

Na primeira visita técnica de 2020, realizada na tarde desta quinta-feira (20), a Comissão Especial para Avaliação de Pontes e de Viadutos da Câmara Municipal de Curitiba (CMC) inspecionou duas pontes no Bairro Alto e as obras da trincheira da rua General Mário Tourinho, no Seminário. A atividade contou com o apoio de engenheiros do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (ITTI), vinculado à Universidade Federal do Paraná (UFPR), e da Defesa Civil.

A partir das inspeções técnicas, por meio de fotografias e medições com equipamentos próprios, os engenheiros do ITTI apresentarão um relatório à comissão especial, assim como nas visitas realizadas em 2019. Eventuais apontamentos serão apresentados pelo colegiado da Câmara Municipal à Prefeitura de Curitiba, na forma de sugestões.

>> Confira mais fotos das visitas no Flickr da CMC.

Segundo Zé da Farmácia, morador da região, a ponte para pedestres que ligava as ruas João Ramalho e Arno Feliciano de Castilho, no Bairro Alto, caiu “há uns 2 ou 3 meses” e era bastante utilizada. “Já não estava muito legal. É uma ponte antiga já”, conta. Ele diz que a comunidade, agora, precisa caminhar “quase 2 km”, para cruzar de um lado ao outro.

“Na hora que o rio enche, começa a turbulência [que levou à queda da ponte]”, explica o coordenador do ITTI, o engenheiro civil Mauro Lacerda Santos Filho. Ele também aponta que a ponte deveria ser mais longa: “É o grande problema da economia que você faz”. No entanto, de acordo com o professor, a estrutura “por incrível que pareça, não está em tão mau estado”. “Está em condições de ser recuperada. Lixada e pintada. Pode ser alongada ou utilizada em outro local. É reaproveitável”, salienta.

“A gente sabe que esse rio sobe muito, mas ele não pode ser canalizado, até pela legislação federal”, pondera o relator da Comissão Especial para Avaliação de Pontes e de Viadutos, vereador Bruno Pessuti (PSD). Ele alerta que a canalização de rios e córregos é um dos motivos de enchentes que atingiram recentemente São Paulo (SP) e Belo Horizonte (MG).

Na ponte de concreto na rua José Fernandes Maldonado, próxima à Linha Verde Norte, os vereadores desejavam verificar o resultado de reparo efetuado recentemente. Os danos haviam surgido após fortes chuvas, em janeiro deste ano. Preliminarmente, para os engenheiros do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura, a estrutura não possui fissuras e o guarda-corpo está bom.

O professor Lacerda, no entanto, afirma que a ponte também é mais curta que  o ideal. “Vai cair? Não. Precisaria se estudar uma maneira [para adequá-la]. Como puxar uma placa de aproximação”, diz. Outro problema apontado pelos engenheiros do ITTI, na ponte próxima à Linha Verde Norte, é o assoreamento de sua base. A erosão devido a enchentes, aponta o presidente da comissão especial, vereador Mauro Ignácio (PSB), “acaba afetando o asfalto”.

Na trincheira que está sendo construída na rua General Mário Tourinho, no cruzamento com a avenida Nossa Senhora Aparecida, Ignácio explica que a ideia era acompanhar o andamento das obras, retomadas em setembro passado. O próximo passo é uma visita do colegiado, junto aos engenheiros que dão apoio às atividades, à Secretaria Municipal de Obras Públicas (Smop), para discutirem o projeto da trincheira. “Hoje é a maior obra da cidade. A travessia no local era um gargalo, que será resolvido. A ideia é estimular outras grandes obras”, acrescenta.

Em reunião nessa quarta-feira (19), a Comissão Especial para Avaliação de Pontes e de Viadutos deliberou outras pautas, como o lançamento de competição para a elaboração de projeto de uma nova ponte para o parque Tingui, já vistoriada pelos vereadores. O colegiado também solicitou reunião com representantes da concessionária CCR Rodonorte, para debater a duplicação do viaduto do Orleans, e estuda a implantação de ferramenta para smartphones, para que a população possa cadastrar problemas identificados em pontes e viadutos de Curitiba.

Denúncias e sugestões
O site da CMC disponibiliza um canal para o envio de denúncias e sugestões à comissão especial. O banner está disponível na capa do site do Legislativo. Além das redes sociais, postando uma foto da ponte ou viaduto mais a hashtag #ponteseviadutoscuritiba, a população pode participar pelo e-mail comissao.ponteseviadutos@cmc.pr.gov.br

A comissão
Formada por nove vereadores, a comissão pretende prevenir acidentes e tragédias, como os registrados em outras cidades brasileiras, geralmente por falta de manutenção. O colegiado vistoriou e avaliou a segurança das pontes e viadutos, estabelecendo um catálogo oficial e apresentando à Prefeitura de Curitiba e demais órgãos competentes um relatório com o resultado das inspeções e demais atividades.

Instalado no dia 20 de novembro, o colegiado da Câmara Municipal de Curitiba (CMC) é presidido por Mauro Ignácio e tem Bruno Pessuti como relator. Também participam, conforme a proporcionalidade dos partidos representados na Casa, os vereadores Cacá Pereira (DC), Dr. Wolmir Aguiar (PSC), Marcos Vieira (PDT), Maria Manfron (PP), Oscalino do Povo (Pode), Professor Silberto (MDB), vice-presidente, e Serginho do Posto (PSDB).

Leia também:
Comissão que vai avaliar situação de pontes e viadutos inicia os trabalhos

Com engenheiros, comissão especial inspeciona ponte e viaduto

Comissão de Pontes e Viadutos debate duplicação do Viaduto do Orleans

Relatório sugere monitoramento constante da ponte do parque Tingui

Comissão vistoria mais três viadutos; relatório parcial será enviado à Prefeitura

Câmara prorroga Comissão de Pontes e Viadutos até abril de 2020

Comissão de Ponte e Viadutos planeja ações para 2020



Texto:   Fernanda Foggiato
 
Reprodução do texto autorizada mediante citação da Câmara Municipal de Curitiba.


Arquivos para download:

Voltar